Quinta, 29 Julho 2021 08:51

CANÇÕES DE DESPERTAR

Escrito por
Vote neste texto
(1 Voto)

A taça de conhaque sobre a mesa refletia a luz débil, enquanto o violeiro, absorto, proferia sua melancolia em notas sutis e em baixo volume, quase que imperceptível... Era como queria seguir naquela noite, naquele palco, naquele bar: incógnito.

De súbito, uma mulher se destaca de um grupo e se aproxima do palco:

Aperte o play

- Olá, tudo bem?

Ele apenas acena com a cabeça.

- Teria como, por favor, tocar uma música mais animada? – com um olhar de piedade e mãos unidas, em forma de prece. – Você está me deixando triste...

Ele a olha nos olhos dela, por um instante, e desfere um sorriso torto junto ao seu olhar desdenhoso.

- Interessante...

- O que?

- Não imaginava que eu fosse possuidor desse tipo de poder...

- Como assim?

- Deixa para lá.

- É que hoje é aniversário de uma amiga e estamos comemorando...

- Entendo... E quer que eu as faça felizes? Acredita realmente que essa é minha responsabilidade? Digo... Não posso imputar em você algo, como você mesma disse: “tristeza”... Crê mesmo que sou capaz de fazer isso com você ou com quem quer que seja, ou o contrário?

- Não sei... Apenas queria escutar algo mais animado, agitado...

- Será que se eu tocar um som bem sensual, seria capaz de fazer você tirar sua roupa?

- Claro que não... – arregalando os olhos.

- Pois bem... Mas tenho que lhe dizer que está certa em denotar que a música corrobora para seu estado “deprimido”... O que não significa que ela seja capaz de "criar" o que já não exista, ou seja, neste caso, apenas revela o que ESTÁ em você. Pode ignorar ou não, mas esse sentimento está aí e prefere, até quando: não sei, continuar ignorando ao escolher estampar um sorriso no rosto e fingir que nada está acontecendo... Enfim... Desculpe-me pela divagação. Tudo isso o que está acontecendo agora com nossa sociedade, essa superficialidade, tem mexido comigo... Apenas estava colocando para fora, me servindo da música, o que estou sentindo.

- Tudo bem... Mas está certo no que disse a respeito dessa tristeza que venho ignorando em mim. Como sabe?

- Não sei... Você quem me disse quando chegou aqui.

- E o que acha a respeito do que está acontecendo com o mundo... com as pessoas?

- Não acho nada. Apenas sei que enquanto não prepararmos nosso corpo e espírito para nos harmonizar com a realidade, continuaremos, pois, a atirar para qualquer lado sem nada acertar... Tudo continuará igual. Essa ilusão de liberdade e pseudo felicidade é o que está nos mantendo no fundo do poço.

Ele se apoia no violão, toma um gole de seu conhaque.

- O que você está tomando? – Ele pergunta.

- Cerveja...

- E quem escolheu para você essa bebida?

- Eu mesma, ué! Olhei no cardápio e pedi essa em específica.

- Certo... Responda-me: existe alguma cerveja artesanal no cardápio?

- Não tenho certeza, mas creio que não. Somente em lugares específicos, né?

- Pois é... Então escolheu a cerveja que é oferecida pela maior parte dos bares. Sabe por que essas cervejas são oferecidas na maior parte dos lugares?

- Porque são as mais conhecidas?

- Sim... Porque mantem o poder de venda e massacram quem tenta competir com elas. Portanto, perceba: se essas marcas dominam o mercado, onde está a sua liberdade de escolha?

- Humm... – Ela franze o cenho e acena com a cabeça.

- A ilusão sobre a liberdade é o que nos mantém realmente prisioneiros, pois permanecemos passivos e minamos a nossa capacidade de saber de que lado estamos.

- E existe uma saída para isso? Vivemos numa sociedade predatória, certo?

- Não acredito em uma saída... Acredito na consciência. Não é fácil lidar com a ideia desse domínio invisível, pois, observe: implícito em nossas ações, seguem os manipuladores atrás das cortinas... Movendo-nos como se manipulam marionetes. Mas enfim... São tempos difíceis, mas se quisermos mudar algo, devemos começar a tomar consciência das coisas e é necessário crer para ver e abandonar o velho jargão... Mas enfim. Vá curtir a festa com seus amigos... Tocarei algo mais amistoso.

Ele brinda com ela e sorri.

- Obrigada... – Sorrindo. – Você é bem sério, não é? Entretanto... Apreciei a pequena conversa. - e se vira para retornar à mesa.

- Apenas, antes de ir - diz ele -, pense em uma coisa: você já viu alguém, com uma espada em riste, com um sorriso no rosto?

- Eu jamais vi alguém com uma espada... 

Ele olha para ela e, embora sarcástico, finalmente sorri.

https://www.youtube.com/watch?v=gQiS6ml0eDo

Lido 192 vezes Última modificação em Quinta, 29 Julho 2021 09:35

Deixe um comentário