Terça, 30 Novembro 2021 01:15

Falsos Profetas

Escrito por
Vote neste texto
(4 votos)

De caritate loquuntur sed putant se esse meliores quam nos
Actualiter nam cum enim vitas istorum melius cognoscimus
Dum vita ventum est, non solum a conspectu oculorum nostrorum
Videbimus quod omnes fere solum ad consolationem vestram agere.
Qui sunt prophetae doloris et nom pro gaudio, ad fiducia et fide
Homines ho invocantes a Deum poenarum crudeli modo facta
Omnia facient, digito levato, vel minimis erroribus demonstrante
Omnes nos maledicti ac virtutis frustra animus esse affirmabunt
Non erit ledo laudatorum potens corruptionem adrogantiam patriam
Sic sine cogitatione permanebunt, ideam omnibus habitabunt idea
Virtus suam putant esse divina cogitant posse immiscet praecepta
Sub hac domain sed bulla hic est verus omnium largitor lucis et vitae
Praesertim pulcherrimus omnium doctrina quae est amare proximum
in frigidis paginis sanctorum librorum relinquetur in exsilio remanebit
Sed interim ili qui vere fide credentes exspectant reditum Eius











Eles falam em caridade e parecem querer se elevar sobre nós
Na verdade, quando soubermos melhor a vida desses homens
Que tudo vier à tona, não somente pela visão de nossos olhos
Notaremos que quase todos agem somente para seu conforto
Que são profetas da dor em vez da alegria, da confiança e fé
Estes, inventam de um Senhor cruel. feito somente para punir
Farão tudo, dedo em riste, a apontar mesmo os menores erros
Afirmarão que jazemos todos malditos e a coragem apenas vã
Irão aplaudir outros poderosos, pais do egoísmo e corrupção
Assim seguirão de forma irrefletida a tudo disseminando a tese
Em que seu poder tem origem sagrada, daí em tudo interferir
Sob este domínio, o verdadeiro Semeador de toda a luz e vida
Mormente o mais belo dos ensinamentos que é amar o próximo
Restará relegado às frias páginas dos livros sagrados fechados
Enquanto os que realmente acreditam, esperam por Sua volta

Lido 107 vezes

Mais recente de Sergius Dizioli

Mais nessa categoria: « Esperança SÃO ÁGUAS APENAS »
Entre na Casa da Poesia para comentar