Quinta, 18 Novembro 2021 15:18

Desejo

Escrito por
Vote neste texto
(3 votos)

Se tu me desejas, podes virar-me do avesso

Mas vou recompor todas palavras escritas

Ninguém irá me roubar o prazer dos versos

Encha teus pulmões, recites essas estrofes

Com fúria como as cravasses no meu peito

Repetidamente, qual quem renuncia à vida

Não baixes a cabeça, faças quanto fizeres

Vão te dizer que meus versos são sombrios

Não sei fazer milagres e nem vou te mentir

Vou te contar de um futuro que eu já vivi

Nos nossos sonhos tu lembras? De sonhar?

A cabana no bosque, o bálsamo do jasmim

Mão na mão, tua boca e a minha, fascínio

São tantas e incontáveis lembranças de ti

Porém não me ames ou isso fará me perder

Pois, eu pertenço à fantasia e amar é real

Mas posso prometer estar sempre contigo

Cabeça e coração num romance sem final

Não, não me mates ainda, deixa minha pele

Se tornar tua pele. Faz meu sangue ser teu

Eis que somos trovão e lampejos, som e luz

Faz-me viver em ti, o que não cabe em mim

 

Lido 79 vezes Última modificação em Quinta, 18 Novembro 2021 15:27
Mais nessa categoria: « Morte e Desejo Invisível »

Deixe um comentário