L'(Max) - Luciano Petricelli

L'(Max) - Luciano Petricelli

Sábado, 01 Mai 2021 14:23

Subtítulo da Antologia 15 Definido!

 
"Em Casa Com Amor"
 
Olá Autor da Casa da Poesia...  O Subtítulo da antologia é "Em Casa Com Amor". Veja abaixo o resultado da votação...

(VOTAÇÃO FINALIZADA)
 

Qual será o Melhor Subtítulo para a Antologia?
  • Votos: (0%)
  • Votos: (0%)
  • Votos: (0%)
  • Votos: (0%)
  • Votos: (0%)
Total de Votos:
Primeiro Voto:
Último Voto:

 

"Veja o andamento da Obra Clicando Aqui"

Dormi por exatas duas horas,

Quando meu corpo latente,

Vibrou dormente;

 

Observei um candelabro movimentando-se,

E o brilho azul inundou o todo.

E não podia me mover.

Tentei gritar da alma, mas não me ouvi.

Vibrei e acordei de olhos fechados,

Dormente com o couro cabeludo em frêmito;

Uma lucidez dantesca, onde vezes medo.

 

Não a vi dessa vez, mas senti seu cheiro de cravo.

De olhos abertos o ambiente continuava roxazul.

E minha alma parecia fugir de meu corpo.

Clamei!

 

E eles estavam ali ao pé da cama...

O senhor mais alto pouco se movia, parecia mais novo que o menor.

O menor muito se mexia e eu podia ver seus olhos azuis escondidos sob o cabelo branco longo.

O grande senhor com uma voz calma e escusa metaforizou:

- “Hoje estas, amanhã não mais. Tuas bênçãos o aguardam e vêm de perto. A alma feminina que tu conheces por vários sóis, vários turnos e returnos esteve junto a ti e voltarás como tormenta vinda do mar.

 

- Tudo de seu ser será”

 

Saíram como em vultos em direção a sala, levantei-me e fui atrás, mas ao cruzar a porta apenas pude perceber o azul se esvair....

17.09.08

****

Quarta, 28 Abril 2021 10:51

Longe...

Meus olhos arenosos das leituras do dia,

Puseram-se doídos após treze horas.

Este tempo que se esvai sem valia,

Por meu peito que só, e longe só, choras.

 

Meus ouvidos que suportaram blasfêmias,

Selaram-se para os ruídos das noites.

Este sonido que me vem em ventarolas efêmeras,

Por meu sonho que só, em seus secretos deleites.

 

Seus cabelos de loiros à acinzentados,

Deixaste à mim como provas e legados.

Faz-me teu, sempre teu, num olhar amendoado,

Nos braços da chegada e em beijo açucarado.

 

Esta noite mais te quero, de teu gosto saciar,

Vou despir-me desta alma e ao longe te buscar.

Seu carinho me faz falta, falta de me encontrar,

Já corri por este mundo, mas em ti está meu lar.

 

Toalá!

 

 

 

 

                                                                   L'(Max)

O Portal Casa da Poesia tem o prazer e o privilégio de trazer a público o resultado da primeira votação do concurso  "Autor do Mês", consagrando no mês de Abril de 2021 a Autora Maria Luiza Kuhn!

Saudações Maria Luiza....
Parabéns!


Veja o Perfil do Autor : 

 

 

 

"Veja quem participa do próximo mês"

Terça, 27 Abril 2021 11:47

Café Filosófico...

Alguns anos atrás, mais precisamente final de 2002, estava lotado na CPFL em Campinas e naquela época iniciava-se um projeto no instituto CPFL chamado Café Filosófico, onde o tema básico era literatura! Achei o máximo a iniciativa e participei de alguns.  Sabia do potencial do projeto, da qualidade e da expressão do instituto, porém não imaginaria a proporção que gratificantemente este que é hoje um dos principais encontros entre literatura, poesia, filosofia, e humanização que conheço.

Fundado em 2003, com sede em Campinas (SP), o Instituto CPFL é a plataforma de investimento social privado do Grupo CPFL Energia, responsável por integrar os programas sociais, esportivos e culturais do grupo em uma única rede.

A partir de 2020, o Instituto CPFL fortaleceu a frente de assistência social com investimentos nos programas CPFL Jovem Geração, que apoia iniciativas voltadas para o futuro das novas gerações, e CPFL nos Hospitais, que apoia projetos de humanização e melhorias em hospitais públicos.

Também fazem parte das atividades do Instituto CPFL as gravações do programa Café Filosófico CPFL, realizado em parceria com a TV Cultura e veiculadas na emissora, além de outras atividades que acontecem na sede do Instituto CPFL, como as Exposições de Arte e o mês de celebração da cultura chinesa.

Programa de TV e projeto de conteúdo digital audiovisual. Uma das iniciativas de maior relevância e reconhecimento público do Instituto CPFL na área cultural é o Café Filosófico CPFL. Desde 2003, os encontros são gravados na sede do Instituto CPFL, em Campinas, transmitidos via lives nas redes sociais, disponibilizados gratuitamente na internet, editados e exibidos na TV Cultura.

 

Vale muito conferir!

 

Todos os programas e lives ficam disponíveis gratuitamente nos canais do Youtube do café e do instituto. Conheça os formatos do programa:

 
>> Lives de gravação do café filosófico cpfl exibidas a cada quinze dias, às quintas, 18h, no canal do café no Youtube:

 

Siga-os nas redes sociais:
Instagram
Facebook
Twitter
LinkedIn

Inscreva-se em nosso canal no
Youtube

E também no canal do Café Filosófico CPFL no
Youtube

Sexta, 23 Abril 2021 20:25

A paz de meu silêncio...

Em meio ao barulho da multidão há paz,

Límpida e aconchegante de um olhar fugaz.

A noite enluarada trouxe a mim o paraíso,

Uma brisa ululante me devolveu o juízo.

Ouvi no vento um passado azul-infante,

Que sem piedade me mostrou o diante.

A paz do meu silêncio foi quebrada,

Agora é grito, é força e mais nada.

Assim ouvi o estatelar em uníssono,

Senti o doloroso despertar do sono.

E a alma renovou-se como um corte,

Cheguei buscar dos desejos a morte.

A paz do meu silêncio tornou-se o frio,

Sinto desgastar-me como pedras de rio.

A razão me mostra o solstício logo à frente,

E o final dessa tempestade negra e demente.

E no intenso, breve e claro, sol brilhar,

Farei a luz de o meu próprio dedilhar.

Aqueles sonhos que tornaste escuridão,

Nunca mais em teus amanheceres serão.

Despir-me-ei das inserções de minhas rugas,

Serei cuidadoso ao trepar com sanguessugas.

Para mim não serve mais paixões sem nexo,

Esse total e desvairado entregar-se por sexo.

Farei de minha vida um aprender constante,

Olharei para esse mundo por mais distante.

Claro! Meus sonhos são maiores que o mar,

Indubitavelmente irei descobrir o real amar.

Quanto ao eminente errar quando se flerta,

A dor é menor se for com a cabeça certa.

Reviverei de minha inerte angustia crua,

Terei o inicial sentido de uma alma nua.

Como doce poesia, desenharei novas trilhas,

Serei arrimo de todo amor em minhas filhas.

A paz do meu silêncio é latência dos meus dias,

É o tramitar das vontades açucaradas em alegrias.

Serei novamente o silêncio certo e conciso,

Manterei em minha face o sincero sorriso.

Enfim exaltarei o eu daquele olhar fugaz,

E assim na paz do meu silêncio, terá paz...

 

                                                                   L'(Max)

Quinta, 22 Abril 2021 18:20

ESCURIDÃO (MY DARKNESS)

Hoje sou a escuridão,

Sou o medo dos próximos passos.

Hoje sou o ódio,

Sou o ópio de meus próprios laços.

 

Esse asco ruminante,

Tende a não largar-me.

Essa saudade galopante,

Volta a sufocar-me.

 

Risquei num papel um verso,

Não tinha amor, confesso.

Nada sangrou ao meu lado,

Além da lágrima de pesar gelado.

 

Hoje sou a escuridão,

Sou os anseios de um alvorecer.

Hoje sou o nada,

Esperando o florescer...

 

"scheißen Sie, passieren Sie"L’(Max)

Terça, 20 Abril 2021 12:19

Coração de Fênix...

Algumas vezes me pego em silencio.

Silencio que corrói e me rasga em lembranças.

Sentimentos de tudo que passou.

Asco do que se seguirá.

 

As vezes me pego sem voz.

Sem motivo aparente.

Mas sempre existe uma razão.

Mesmo que seja em simples ramos de desilusão

 

Nem sempre consigo expressar o que quero.

Nem sempre tento fazer o que quero.

Mas sempre sei o que quero.

 

Quero sussurrar o uivo inaudível aos mortais,

Sentir o veio de vida que ruge ao amanhecer,

Presenciar o brilho do orvalho nas folhas de hortelã.

Quero despertar na relva, de seus sonhos.

 

Renascença de um momento fatídico.

Coração de Fênix ressurgindo da escuridão.

Tirocínio e acepção das  maleficências do passado.

Límpida dilaceração de indulgências fracassadas.

 

Sem medo, seguir para o amanhã.

Sonhar com a realidade de meus dias.

Despertar o âmbito de minha alma.

Iluminar... Amar... Ter... Sentir... Você...

 

 

 

                                                                   L'(Max)

Sábado, 17 Abril 2021 18:44

12 anos de Casa da Poesia!

12 Anos atrás nascia o portal Casa da Poesia, com sua página e seu grupo no Facebook!

Doze anos que se fazem em uma eternidade de letras, amigos e momentos...

Vivemos na mais pura dedicação de conseguir ao menos levar um pouquinho de nós em versos!

Só tenho o que agradecer a todos que de alguma forma compartilham dessa dedicação, que tenho certeza ser de o mais     absoluto amor...

Obrigado!

Parabéns a todos que fazem parte dessa enorme família das letras.

Parabéns à Casa da Poesia

Terça, 13 Abril 2021 21:10

OS TEUS RISOS

                  (para-Nerudiando)

Roube-me tudo, se quiseres, 

Leve-me o viver, mas 

não me distraia de teus risos. 

Não me tires a paixão, 

a vontade que transcendes, 

a luz que de brusco 

mana em tua alegria, 

a inesperada  nuvem

de sonhos que em ti nasce. 

 

Meus dias fazem-se enormes e regresso 

quase sempre com os olhos 

esfalfados de terem visto 

o mundo que não se altera, 

mas quando o teus risos me adentram 

sobem ao céu à minha procura 

e abrem-me todos 

os portais da existência. 

 

Minha amada, no momento 

mais abstruso doa-me 

os teus risos, e se de repente 

perceberes meu sangrar manchando

as escadarias fronte a dor, 

ri, pois teus risos serão em meus sonhares 

quão cantar de anjos. 

 

Junto ao mar no inverno, 

os teus risos devem alçar 

aquela cascata de espuma, 

e num suave verão, amor, 

desejo os teus risos qual 

o vento morno que almejara, 

as flores multicoloridas, a orquídea 

de minha estufa mais prezada. 

 

Ri-te da vida, 

dos sonhos, da lida, 

ri-te da rua

crateras da lua, 

ri-te deste garoto 

que louco te ama, 

mas quando piscar 

dos olhares cravelha, 

quando os meus caminhos se forem, 

quando os meus caminhos voltarem,

nega-me o pão, o ar, 

a luz, a primavera, 

mas os teus risos nunca 

porque sem eles eu não seria.

 

                                                                   L'(Max)

Página 1 de 6