Aplicado o filtro por Data: Outubro 2020

Segunda, 30 Novembro 2020 07:38

*23h44m, de uma noite qualquer*

 

Dói-me calada,

A tua ausência.

 

Como num daqueles dias, em que esperar,

Torna-se a única salvação dos covardes.

 

Teus passos teimam em morrer,

Vagarosamente,

No tormento da noite,

Dissolvidos entre as minhas palavras desconexas.

 

A expectativa do amanhã,

Atira-te longe,

Para além da esperança,

Natimorta.

 

Teus olhos de azul cobalto,

Correm no sentido inverso do meu peito.

 

Tantos sentidos,

Deixados para trás.

 

Boa noite Amor.

 

Quem sabe....amanhã...!

 

Angela Lazzari

 

(Aos oito dias do mês de Novembro de 2016).

Publicado na categoria: Poesia
Segunda, 30 Novembro 2020 07:29

*Contrariando o Tempo*

 

Visceral amor tatuado em tua retina,
Natureza prodigiosa, sôfrega, distanciada.
Tempo tormentoso.
Sentimento arrebatado em asas de fogo.
Brasa que abrasa no encontro do mais puro êxtase.

E a tua ausência teima em passear pela minha rua,
Nas alamedas deste amor ensandecido.
Profundo.
O inegável do inegável.

Teus olhos que encaram os meus.
Tua pele encarnada na minha pele pronunciada.
E a tua boca...
A tua boca que sela a minha numa única respiração.
Teu amor que esbarra no meu, 
A cada esquina. 
A cada curva do meu corpo.

Perco a trilha,
Na chuva incessante que da tua boca escorre,
Em águas tão profundas que me lava a alma inteira...
Inteira...!


É a tua mão que me conduz ao horizonte,
Desmascarando o que já não mais se esconde.
O que o tempo não mais atreve separar.
Ainda, assim, sempre será. 
Fatal...!
Inequívoco...!

Ave Maria em prece gesticulada,
Que não mais redime este pecado Santo,
Do teu amor, que vive por sobre o meu amor.

E o teu mundo transborda no meu.
Completa.
Vicia meu desejo.
E conduz...
Conduz o céu da tua boca, 
Ao meu céu transbordante que te fala em silêncio.

O tempo contraria a razão.
A razão, na loucura, te rasga em meu ventre adorado.

Eu?
Eu perco a noção.
E tu?
Tu te extasias.


Voraz contemplação...!

Angela Lazzari

(Aos dezessete dias do mês de Novembro de 2016).

Publicado na categoria: Poesia
Segunda, 30 Novembro 2020 07:22

*Rastros*

 

Não te direi absurdamente nada,

Dos pedaços que me faltam,
Quando avança a madrugada.

Sei que me traio em todos os instantes,
Quando golpes da felicidade que prometes,
Rasga o peito, dilacerando a saudade que me corrói.

Teu hálito fresco,
Imposto à minha pele,
Destempera o tempo,
Do beijo prometido, que tão pouco sabes.

Tua fala doce me rende aos lençóis,
Na devassidão do teu pouso, em minha mente,
Que tempestuosamente deságua em minha retina,
Submetendo-me ao teu apelo,
Morrendo as palavras, aos poucos, nesse silêncio abissal.

És como a flor viva, 
Que adubas, no canteiro da minha alma,
Com palavras ditosas e pinceladas de puro torpor.

São quimeras de fogo ardente,
Pequenos silêncios que regressam intempestivamente,
Ao menor sinal da tua presença dançante.

São rastros.

Que num céu azul cobalto,
E adornado de estrelas que tecem a nossa timidez,
Transmutam a dor e a distância,
Em fachos de imensa luz.
Em raios de pegadas doces.

Na vontade de ter um pouquinho mais de ti.
Só mais uma gota que me sedente.
Com os teus dedos, selando os meus lábios.
Na espera, apenas, de um beijo.

São rastros.

Os teus.

Angela Lazzari

(Aos vinte e três dias do mês de Novembro de 2016).

Publicado na categoria: Poesia
Segunda, 30 Novembro 2020 00:05

Viagem Astral

Em serena vigília respirei fundo,

Coração afoito aumentou o passo,

Trovejou no meu ouvido o sino,

E fui lançado ao perispaço,

 

Escoando do leito em fuga,

Desatei com a mão o cordão de prata,

Flutuando caminhei sem pressa,

Ao desconhecido que se revelava.

 

Silêncio meigo e aconchegante,

Um céu sem sol se iluminava,

Palavras que não eram ditas,

De suas mentes que emanavam,

 

No olhar revi um desconhecido,

Seres estranhos também passavam,

Na cidade andei meio sem rumo,

E vendedores anunciavam,

 

Sabia que não era o meu mundo,

Voltei pelo caminho apressado,

Uma jovem se aproximou ofegante,

Meu tempo havia acabado,

 

Crianças corriam brincando,

Quase um cortejo a acompanhar,

Imagens que foram apagando,

Suavemente senti o despertar,

E voltei.

 

Publicado na categoria: Poesia
Sábado, 28 Novembro 2020 22:37

CIÚMES

Não reconheço em mim essa angústia,

Projeto em tudo minha insatisfação,

Procuro motivos que justifiquem,

Amarga, incoerente tribulação.

 

Sentimento que não se corrige com o tempo,

Mar calmo de tsunamis me conduz,

Calmaria de emoções que traz o vento,

Escuridão no peito, cheia de luz.

 

Relação saudável, como tu és?

E amar requer toda devoção,

Eu te possuo, mas não tenho em fé,

Como quebrar essa contradição.

 

Sim, sabe que me envergonho,

Por não saber amar sem dor,

Rasgando a máscara do ego me ponho,

Caio em prantos doente amor,

 

Exausto, disfarço, já que renasci,

Entrega, volúpia, com paixão eu amo,

Deixo a onda de prazer me levar,

E espero a próxima angústia chegar.

 

Publicado na categoria: Poesia
Sábado, 28 Novembro 2020 22:11

TESTOSTERONA

Não paro de pensar nessa menina,

Não consigo mais ver a luz do sol,

Chega à noite, tô sem melatonina,

Pensar que te perdi, só faz subir meu cortisol,

 

Ando por aí de mau humor,

Procurando um pouco de serotonina,

Eu sei que nosso lance já acabou,

Tenho que aumentar minha dopamina,

 

O zinco que eu guardava já zerou,

Tô tentando sair logo desse tédio,

Mas antes de tomar qualquer ação,

Preciso de selênio e magnésio,

 

Como o cálcio eu procuro meu destino,

Mesmo sem saber o que virá depois,

Dói meu coração e até o intestino,

Hoje vou tomar D3 com a K2,

 

Junto forças pra seguir minha rotina,

Querendo sair logo dessa zona,

Se eu te vejo sobe minha adrenalina,

Sobe tudo, sobe a testosterona.

 

Publicado na categoria: Poesia
Sábado, 28 Novembro 2020 10:59

O meu e outros mundos

 
 
Quando eu era criança gostava de brincar de sonhar e de viver. Meu mundo era tão lindo, tudo era grande, muito grande. Eu tinha um açude tão grande que nem sentia falta do mar que eu só conhecia de ouvir falar. Minhas árvores eram enormes e seus galhos me protegiam quando lá, eu resolvia morar. Mas grande mesmo era o céu, tão estrelado à noite e quase sempre tão azul de dia. Mas o avião que lá em cima passava era pequeno, muito pequeno, menor que os passarinhos que bebiam água no açude e brincavam de se banhar. Acho que o avião vinha de outro mundo, um mundo bem distante e tudo que não pertencia ao meu mundo, era pequeno e sem cor. Acho que era porque faltava intimidade.
 
A minha imaginação também era grande, tínhamos bastante intimidade, sendo assim, viajávamos por dentro dos livros e de lá eu trazia um montão de coisas, principalmente palavras. Elas saíam dos livros e logo ficávamos íntimas. Descobri como era incrível brincar com as palavras. Foi assim que percebi que as coisas dos outros mundos não eram tão pequenas assim, eram apenas diferentes. Todas as palavras que fui conhecendo foram crescendo, pois agora faziam parte do meu mundo. As palavras me ensinaram que o meu mundo não é formado apenas pelo açude, pelas árvores, pelo céu... Mas por tudo o que eu quisesse. Hoje eu sei, meu mundo é infinito.
 
 
Zezinha Lins
Publicado na categoria: Coluna da Zezinha
Sexta, 27 Novembro 2020 14:17

MEIO A MEIA

Entre a meia noite e às duas e meia,

Uma mulher de meia idade, caminhava no meio da rua,

Quando viu na calçada, próximo ao meio fio,

Uma meia largada, toda suja,

 

A meia estava também meio rasgada,

Ela estranhou ver aquele meio par,

E sem esperar, o outro par da meia...

Ela procurou meio intrigada,

 

Depois de meia hora procurando,

Olhou meio de esgueio ao lado,

E encontrou bem no meio da rua,

O outro par da meia, jogado,

 

Foi embora meio desconfiada,

E volta e meia se pegava,

Tentando arranjar um meio,

De descobrir em meio aquilo tudo,

De quem era a meia abandonada.

 

Publicado na categoria: Poesia
Quinta, 26 Novembro 2020 23:22

Sopro de Hemoção

Lembrei o quão éramos amigos,

Andei sempre ao seu lado,

Senti suas emoções,

Devoção, gratidão.

 

Mesmo naquele incidente

Quando você se feriu,

Senti sua dor, nossa dor...

Calor, febril.

 

E todos esses momentos,

O que nos aconteceu?

Na boca sabor amargo,

Não sabia que sofria

Não sabia da sua dor... nossa dor.

 

E agora não posso ajudar,

Queria te levantar, voltar a ti,

Continuo me esvaindo

E vejo você morrer,

E morro com você,

Do seu pulso, à sua mão...

E não mais terei seu coração,

Mas continuo aqui,

Caído, ao seu lado,

Chão frio... para sempre!

 

 

Publicado na categoria: Poesia
Quarta, 25 Novembro 2020 13:51

A Procura de mim

 

Procuro a mim mesma

E tudo o que a mim pertence,

Pois percebo que até hoje

Não fazia distinção

Entre o que era meu ou dos outros.

E nesse viver de muitos

Absorvi tanta lama,

Água suja, aberração.

Nada disso me pertence

Quero apenas ser minha versão.

Procuro a mim mesma

E tudo que em mim se esconde

Sem interferências ou influências,

Sem heranças nem lembranças.

Preciso percorrer

O labirinto do meu ser,

É lá que vou encontrar

Na intimidade da minha alma

Meu pensar, minha palavra.

Meu genuíno viver.

 

Zezinha Lins

Poema publicado no livro E POR FALAR EM MULHER... (2019)

 

Publicado na categoria: Poesia
Página 1 de 6

Maria Luiza Kuhn Sábado, 20 Fevereiro 2021 20:28

  Por pura teimosia Eis –me aqui, num janeiro...

Maria Luiza Kuhn Sábado, 13 Fevereiro 2021 20:19

Deusas de cada dia!     Mulher que sou e...

Lineu Mattos Quinta, 04 Fevereiro 2021 16:47

Florestas...   Desde menino ouço histórias...

Maria Luiza Kuhn Sexta, 29 Janeiro 2021 23:13

  Fiz as pazes com a bicicleta   Parece que...

Maria Luiza Kuhn Sexta, 22 Janeiro 2021 20:05

  Sobre o primeiro beijo.   A gente nunca...

Waulena d'Oliveira Segunda, 21 Dezembro 2020 20:28

     Num ano de tantas agruras, como nunca...

Maria Luiza Kuhn Sexta, 18 Dezembro 2020 19:11

Coluna da Maria Luiza 03/2020   Iguarias no...

Zezinha Lins Sábado, 05 Dezembro 2020 09:53

  As metáforas e os poetas são como águas do...

Zezinha Lins Sábado, 28 Novembro 2020 10:59

    Quando eu era criança gostava de brincar...

Lineu Mattos Segunda, 23 Novembro 2020 11:26

Acho que o meu amigo, o Poeta Renato Baptista,...

Zezinha Lins Sábado, 21 Novembro 2020 11:15

  Alguém, certo dia, escolheu a cor verde para...

Maria Luiza Kuhn Sexta, 31 Março 2017 23:54

O que é ser elegante?Recorrente depois de tantos...

Zezinha Lins Sábado, 25 Março 2017 23:49

Finalmente chegou o dia da minha estreia como...

Maria Luiza Kuhn Sexta, 24 Março 2017 23:46

Hoje é sexta-feira!Feliz por estar aqui...

Lineu Mattos Quinta, 23 Março 2017 23:23

Grato pela oportunidade que a Casa da Poesia...

Toalá Carolina Quarta, 22 Março 2017 23:33

Ruídos na casa: o miado do gato que mora no...

Lineu Mattos Terça, 17 Novembro 2020 23:22

A fórmula do início ao fim... Por quê em 12 só...

Maria Luiza Kuhn Sexta, 13 Novembro 2020 18:56

Te amo de todo o dia!   Parece que aprendemos...

Toalá Carolina Quarta, 11 Novembro 2020 13:57

Quem luta sempre perde. Não é uma guerra e a...

L'(Max) - Luciano Petricelli Sábado, 07 Novembro 2020 20:00

Olá pensadores e filósofos da Casa da Poesia,...