Segunda, 21 Dezembro 2020 20:28

Coluna da Waulena 03 - O Natal que não chegou ...

Escrito por
Vote neste texto
(1 Voto)

 

  

Num ano de tantas agruras, como nunca havia visto, esperava-se que o Natal chegasse trazendo esperanças...

O fim do ano chegou rápido ! Apesar das notícias sobre o vírus nefasto, as pessoas circulavam sem mostrar medo. As compras eram tímidas, porque esse fora um ano de muita dificuldade financeira para muita gente...

Não se via as costumeiras reuniões nos bares, no final do expediente, ou a troca de presentes dos ‘Amigos Ocultos’ . Não se via janelas iluminadas, não se via árvores acesas nas casas. Não deveria haver grandes reuniões este ano  -  a aglomeração de pessoas era um risco !

Que ano !!

Assim correram os dias, numa expectativa diferente dos outros Natais.

Achou melhor colocar alguns enfeites pela casa. Uma tímida árvore armou – apenas para lembrar que era Natal ... Conseguiu comprar alguns poucos presentes, apesar da incerteza se poderia entregá-los... Separou as velhas canções e tentava encher o ar com as memórias de todos os Natais. Mas as memórias pareciam cansadas e apagadas  -  o tempo parecia tê-las levado para tão longe !...

O fim do ano chegou rápido !  O fim de um ano vazio de histórias, cheio de preocupações stressantes, de medo, de condolências, de adeus... Mas a vida exige que se vá em frente, quase nos impõe a necessidade de acreditar nos amanhãs. Apesar de tudo ...

Este ano não haveria festa. Alguém partiu. Alguém está distante. Não havia motivos para ceia – não haveria ninguém mais à volta da mesa. Apenas, talvez, as velhas melodias...

Este seria o ano em que o Natal não chegou ...

No entanto, enquanto olhava a vida lá fora, naquela noite silenciosa, de repente viu o seu reflexo no vidro da janela, enfeitado pelo reflexo das luzinhas piscando no tímido pinheiro – como se fossem suas as luzes, as cores, o brilho ...  E percebeu que era !

Entendeu que todas as festas, todas as memórias, todas as pessoas queridas, toda alegria estava dentro de si mesma !  Lembrou que o espírito do Natal sempre estivera no fundo de cada coração capaz de amar. Entendeu que sempre seria Natal...

 

 

 

                                                                                                                          Waulena d'Oliveira

 

 

Lido 70 vezes Última modificação em Quarta, 23 Dezembro 2020 09:33
Entre na Casa da Poesia para comentar