Quarta, 05 Janeiro 2022 22:45

ARES

Escrito por ZéSilveira
Vote neste texto
(2 votos)

...lentidão no caminhar, passo a passo vi-o absorto em mil pensares, cabisbaixo, seguindo chutando a areia molhada, relembrando sonhos em cantares silenciosos... destino indefinido mesmo que sabida a direção da derradeira foz... num olhar ligeiro e sorrateiro não surpreendeu-se das inexistentes pegadas, apagadas pelo bater suave das ondas do baixa-mar... chegara a noite, mas não se deteve, seguiu guiando-se pelas parcas estrelas enxergadas, luzindo sob seus olhos futigados pelo tempo, tanto tempo... apeou dos pensamentos quando o horizonte já prenunciava uma alvorada, tardia, foi quando se deu conta que a ponte não mais havia para travessia... não arriscou o nado, mas nada o fez arredar do atracadouro antes de cumprir há muito o ritual diário; dar o passo e viver mais um dia!

Lido 201 vezes
Mais nessa categoria: « Estio Enquanto Durmo... »
Entre na Casa da Poesia para comentar