Domingo, 21 Fevereiro 2021 10:48

*Ausência (absoluta)*

Escrito por Anggel
Vote neste texto
(1 Voto)

Desnudas a minha alma.

Sempre.

Nesse silêncio recoberto em véus.

Pela noite.

 

Gritas um amor incompreensível,

Em tortuosos lamentos.

Falta-me o entendimento.

Falta-me um tino de loucura,

Para saber vivê-lo.

 

Mudo as sílabas,

Desfaço as rimas.

E decreto,

(displicentemente),

Que a razão escapa-me pelas mãos.

 

(Antecipaste a hora).

(Foste embora).

 

Insistes numa ausência gélida,

Mórbida.

Brandura calada no peito.

Não há como ler-te os pensamentos.

Não há como saber-te.

Porque o fizeste?

Porque te foste?

 

A verdade não é absoluta.

(Tampouco a resposta).

 

A tua é ausência.

A minha:

Poemas em vão.

 

Angela Lazzari

Lido 89 vezes
Mais nessa categoria: « Tua ausência *Pedaços* »

Deixe um comentário