Quarta, 07 Abril 2021 03:33

Arte no Sertão!!! FLICAN 2021

Escrito por
Vote neste texto
(1 Voto)

A II Feira Literária de Canudos, que acontece de 8 a 10 de abril, traz o projeto InterpoéticAS, um encontro literário virtual de 17 mulheres poetas e artistas de cinco territórios de identidade da Bahia, que interconectam suas criações poéticas atravessadas pelo enfrentamento dos padrões patriarcais, por meio de apresentações lítero performáticas, mesclando elementos literários, identitários e culturais diversos.

Ádila Madança faz parte do projeto e mandou um recado para você.

Confira programação completa nas redes sociais e participe!

II Feira Literária de Canudos (Flican) De 8 a 10 de abril Totalmente online Transmissão do evento YouTube: TV Canudos YouTube: Campus Uneb Canudos

A segunda edição da Feira Literária de Canudos (Flican) será realizada de 8 a 10 de abril, de forma virtual, reunindo escritores, pesquisadores, contadores de histórias, músicos e artistas para discutir temas diversos, permeados pelo universo do sertão real e mítico de Antônio Conselheiro. Com atividades que contemplam públicos de todas as idades, a Flican tem ainda, entre outros convidados, os jornalistas Xico Sá e Franklin Martins, os escritores Aleilton Fonseca, Franklin Carvalho e Marcelino Freire, o poeta Bráulio Tavares e os diretores teatrais Paulo Dourado e José Celso Martinez, criador do lendário Teatro Oficina. Entre as atrações musicais estão Targino Gondim, Gereba, Fábio Paes, Roze, a Orquestra Sisaleira de Conceição de Coité e Bião de Canudos.

Durante a II Flican, que é uma realização da Dona Edite Comunicação Integrada, acontecerão palestras, debates, vídeos documentários, exposições e performances artísticas. O modo virtual será potencializado com as redes sociais e recursos tecnológicos avançados, instalações qualificadas e expertises acadêmicas para recolocar na pauta da literatura e da história o simbolismo universal da Guerra de Canudos.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Pedro Calmon (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

A Flican contará com infraestrutura e apoios da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Prefeitura de Canudos e órgãos públicos relacionados e o Instituto Popular Memorial de Canudos (IPMC). Nesta edição, a Flican foi viabilizada por meio do Edital Aldir Blanc, via Fundação Pedro Calmon (FPC), vinculada à Secretaria de Cultura do Estado (Secult).

De acordo com o curador da feira, Luiz Paulo Neiva, a II Flican envolverá as cidades em seu entorno e, neste formato virtual, espera um alcance nacional dada a importância e a simbologia de Canudos para o país. Se configurará como um conjunto de atividades relacionadas ao conhecimento, à formação, ao apoio ao ensino básico, à produção e à difusão do livro e da literatura brasileira, baiana e regional, tendo como eixo mater de sua temática o sertão, Antônio Conselheiro e Canudos, visando à informação qualificada, ao desenvolvimento do intelecto e ao prazer da escrita e da leitura.

Outra atração da Flican são os esperados depoimentos memoriais de duas descendentes da população remanescente do antigo de Belo Monte e da Segunda Canudos, erguida sobre os escombros da cidade devastada pelas tropas federais: Dora Duru e Joselina Guerra, além de um ex-morador e estudioso do tema, o escritor Eldon Canário. A programação inclui ainda artistas e poetas de destaque na cultural local, como a Banda de Pífano de Canudos e José Américo Amorim. Toda a programação da feira poderá ser conferida, gratuitamente, pelo público no canal Youtube do Campus Avançado da Uneb em Canudos.

Flicanzinha

Nas manhãs da sexta e do sábado (9 e 10/04), a Flicanzinha vai oferecer uma programação especial para o público infantojuvenil. As atividades envolvem contação de histórias, apresentação de cordel e de poesia, visita virtual ao Memorial Antonio Conselheiro e um relato primoroso, à cargo da Profa. Jocilene Valença Varjão, sobre a Aprendizagem e resistência em tempo de pandemia nas escolas do município, e outra sobre a mulher na vivência poética.

Abertura

Mantendo o tema central da primeira edição, O Sertão vai virar arte, a II Flican será iniciada às 14h do dia 8 (quinta-feira), com um Desfile Literário, seguido da performance Interpoéticas, com Vitória Luísa, Sertão Sol e Paloma Aleôncio. A primeira mesa tem início às 14h40, abordando o tema Assombros e Encantados no Imaginário Sertanejo. A mesa contará com a professora da Universidade do Sudoeste da Bahia (Uesb) Ester Figueiredo e os escritores Franklin Carvalho e Márcio Benjamin.

Ponto de alta relevância, às 16h acontece o lançamento do Selo Flican e a premiação do concurso literário voltado para a produção intelectual dos estudantes de Canudos, com a mediação do secretário municipal de Educação, Roberto Gama, quando serão premiados os melhores colocados. Os textos serão também publicados em livro, cujo projeto gráfico será lançado nessa oportunidade.

A abertura oficial terá início às 19h, com um concerto da celebrada Orquestra Sizaleira. A solenidade contará com a participação dos secretários estaduais da Cultura, Arany Santana, e da Educação, Jerônimo Rodrigues, além do presidente da Fundação Pedro Calmon, Zulu Araújo, do reitor da Uneb, José Bites de Carvalho e do prefeito municipal Jilson Cardoso, entre outros.

A conferência inaugural José Calasans, o demiurgo de Canudos será proferida pela professora emérita de teoria literária e literatura comparada da USP, Walnice Galvão, com mais de 42 livros publicados, uma das maiores estudiosas da obra de Euclides da Cunha e da história da luta de maior resistência do sertão brasileiro.

Homenageados

Esta edição homenageará a quatro personalidades pelas suas valiosas contribuições à preservação da memória e da história de Canudos: o professor José Calasans Brandão da Silva (1915-2015), o educador e jornalista Edivaldo Machado Boaventura (1933-2018), o artista plástico Trípoli Francisco Gaudenzi e o laureado fotógrafo Evandro Teixeira. José Calasans é considerado um dos maiores conhecedores da guerra de Canudos, entrevistou sobreviventes e descendentes do conflito e é autor de várias publicações, entre elas Cartografia de Canudos. Já Edivaldo Boaventura se destacou por incentivar e promover importantes iniciativas e conhecimentos relacionados à temática conselheirista-canudense, criando, quando secretário da educação do Estado, em 1986, o Parque Estadual de Canudos, tendo também publicado livro com o mesmo nome.

Trípoli Gaudenzi, artista plástico com sensibilidade invulgar, é autor da exposição Canudos Rediviva, que percorreu algumas capitais brasileiras e ultrapassou a fronteira do país para expor em Cuba, França e Alemanha, e publicou o livro Memorial de Canudos; parte da exposição estará exposta na II Flican, no recém-inaugurado Museu João de Régis.

Baiano de Irajuba, Evandro Teixeira iniciou em 1958 sua carreira no jornal O Diário de Notícias. Posteriormente, já no Rio de Janeiro, trabalhou no Diário da Noite, do grupo Diários Associados. Em 1963, ingressou no Jornal do Brasil. Em seu vasto currículo constam a cobertura de jogos olímpicos e copas do mundo. É autor dos livros Fotojornalismo (1983), Canudos 100 anos (1997) e 68 Destinos: Passeata dos 100 mil (2008). Suas fotografias enriquecem os acervos de museus do Brasil e do exterior, fazendo parte da mostra dos 40 mais importantes fotógrafos do mundo, ao lado de Henri Cartier Bresson, Marc Ribaud e Robert Capa, na Galeria da Leica, em Nova York. Ele e Sebastião Salgado foram os únicos brasileiros participantes.

Veja a Programação

Lido 749 vezes

Deixe um comentário